quarta-feira, 6 de setembro de 2017

O PARÁ NA MODA

Nesses últimos meses tem se ouvido falar muito sobre o estado do Pará, seja pelo folclore, pela culinária ou o ritmo envolvente: a verdade é que o Pará está na tela do Brasil e todo esse grande sucesso se dá pela peculiaridade que cerca o estado, o tornando atrativo ao espectador e acolhedor a quem o vem conhecer. Não é à toa que o Pará está em tudo que é notícia. Separamos alguns dos nossos maiores destaques nos últimos meses: 


Instagram Gloria Perez
A novela “A Força do Querer” estreou no horário nobre da TV no dia 3 de abril de 2017 e carrega consigo parte da identidade paraense para abrilhantar a trama. São muitos os personagens dentro da novela que compõem a trama principal e mostram um pouco dos costumes, alegria e calor do povo paraense. A cidade de Parazinho, apesar de fictícia, é uma bela representação das muitas cidades do baixo Tocantins que existem no Pará. Uma curiosidade é que a primeira fase da novela foi realmente filmada aqui, o que despertou muito a curiosidade sobre o povo paraense ao resto do Brasil.


Instagram Angélica
O primeiro episódio da nova temporada do programa Estrelas, intitulado "Estrelas do Brasil", começou por Belém do Pará. A proposta do programa é viajar por diferentes cidades do país, mostrando talentos regionais. Nada melhor do que começar mostrando a culinária, os ritmos, arte e  a cultura incrível do povo paraense para o Brasil. Como era de se esperar, a apresentadora Angélica ficou encantada com toda nossa riqueza e o ritmo envolvente do nosso carimbó. 

Assista aos episódios do programa:





Foto: Carlos Reinis/ Band
O renomado Chef de cozinha Thiago Castanho teve uma participação ilustre em um episódio do "Master Chef Brasil", na Band. Foi responsável por levar ingredientes típicos do Pará para a cozinha do "Master Chef Brasil", em uma prova com ingredientes incomuns para muitos participantes e só encontrados aqui no estado do Pará. Sua participação foi só elogio nas redes sociais.

Assista ao episódio:



Foto: Prefeitura de Belém
Essa mistura de sabores regionais fez com que a capital do estado, Belém, se destacasse como o destino brasileiro mais bem avaliado pelos turistas estrangeiros que visitaram o Brasil em 2016, segundo a pesquisa do Ministério do Turismo. A gastronomia brasileira recebeu nota máxima de 95,4% dos visitantes internacionais, a de Belém chegou ao topo, com nota 99,2% de aprovação. Os cheiros e sabores do nosso estado encantam turistas da França, principal emissor de turistas para Belém em 2016, e também do Suriname, Estados Unidos, Holanda, Argentina e Alemanha.

Para mais informações: https://goo.gl/c4RhzX

Foto reprodução


A estrela do carimbó, Dona Onete, estampou a capa da revista Songline na edição de julho, que a intitulou de rainha da Amazônia. A revista britânica apresenta o melhor da música ao redor do mundo, e fez questão de falar sobre o álbum Banzeiro, repleto de boleros, carimbós e bangüês. O reconhecimento vem logo na manchete: “Dona Onete, The springhtly star of amazon”, na tradução literal, ao estilo primaveril da estrela da Amazônia.   

Para mais informações:

Foto: Artur Maninea/ Gshow
Quem assistiu o quadro "Jogo de Panelas" no programa da Ana Maria Braga no "Mais Você"? O objetivo do quadro é fazer uma disputa entre cozinheiros amadores que desejam mostrar suas habilidades na gastronomia. Dessa vez, o quadro foi gravado aqui no Pará e foi um sucesso. Os participantes, todos paraenses, representaram muito bem nossa culinária em rede nacional, mostrando um pouco da nossa gastronomia e deixando os telespectadores com água na boca.

Assista aos episódios do programa:  https://goo.gl/9uC5mm

Facebook Zeca Camargo
O jornalista Zeca Camargo foi até Santarém para fazer duas coisas: uma reportagem para o programa "É de Casa" e ministrar uma palestra sobre turismo no Publicom que estava ocorrendo na cidade, em agosto. Acabou ficando fascinado com essa cidade linda e fez um vídeo que bombou na internet mostrando o encontro dos rios Amazonas e Tapajós. Realmente, é de se encantar! 

Assista ao vídeo:

Instagram Num Pulo

Quem veio também conhecer as belezas do nosso estado, foi o projeto "Num Pulo" que explora beleza em cidades do Brasil e do mundo através de vídeos simples e bonitos.   

Assista ao vídeo:





O Pará tem uma cultura muito rica para ser mostrado pelo Brasil e mundo a fora.
Por que você não vem conhecer também? Sem dúvida uma ótima escolha para sua próxima viagem!

Como já dizia o mestre de carimbó Pinduca: Quem vai ao Pará, parou 
Tomou açaí, ficou!

Por Trayce Melo - Estagiária 

quinta-feira, 10 de agosto de 2017

FUJA DO FRIO, VEM PRO PARÁ

O inverno chegou por ai? Pois saiba que aqui no Pará estamos no verão amazônico. verão paraense acontece entre os meses de junho a outubro, quando as chuvas dão uma trégua e você consegue fazer o que quiser. Vamos listar para você seis motivos para você vir conhecer o calorão do Pará:

Foto: Fernando Sette
1° motivo: O Mercado do ver-o-peso

Aqui você encontra de tudo (de tudo mesmo!!!) e a imensidão do mercado é do tamanho da simpatia dos feirantes. Inaugurado por volta de 1627, é um dos mais antigos do país. O mercado é dividido por especialidades: a casa de carnes Francisco Bolonha, O mercado de Ferro, a Praça do Pescador, a área de ervas amazônicas - onde são vendidas “garrafadas” medicinais, banhos cheirosos e perfumes - a área de artesanato, entre outras. E se bater aquela fome ou sede, não se preocupe, são muitas opções de comida na ala das barraquinhas.  


Foto: blogdoespacoaberto
2° motivo: Os sorvetes com sabores do Pará

O calor do Pará é um incentivo para degustar vários sabores enquanto se visita o estado, com destaque para os sorvetes de frutas tradicionais da região, seja nos carrinhos de picolé ou em uma das diversas sorveterias. Se permita apreciar as tradicionais frutas do norte como açaí, graviola, bacuri, taperebá e cupuaçu. Uma dica é logo ir provando os mais conhecidos, como o sorvete Paraense – sorvete de açaí com farinha de tapioca - e o Mestiço – Sorvete de açaí misturado com sorvete de tapioca.


Foto: Fernando Sette
3° motivo: Em outubro tem Círio 

Nada melhor do que sentir o calor dessa festa linda que os paraenses promovem todos os anos. A mais de dois séculos a cidade de Belém é cenário da celebração do Círio de Nazaré, uma das principais manifestações culturais do país, que reúne mais de cinco milhões de pessoas nas suas 12 procissões. São 15 dias de festividades e a maior procissão percorre 3,6 quilômetros no segundo domingo de outubro. Se não estiver em Belém nesse período, vale a pena visitar a Basílica onde está à imagem de Nossa Senhora de Nazaré, amarrar umas fitinhas e fazer seus pedidos e orações.

Foto: Jornal O Tempo
4° motivo: O ritmo envolvente   

De Fafá de Belém à Lia Sophia, de Gaby Amarantos à Dona Onete, a música paraense está em alta: ela embala a novela das nove na voz de Fafá de Belém, vai pra cada canto do país na saia rodada de carimbó da Dona Onete, está nas apresentações de escolas em São Paulo o “ai menina” de Lia Sophia e invade os programas de TV no vozeirão de Gaby Amarantos. 


Praia do Pesqueiro - Soure
Foto: Jorge Quadros
                                                                      5° motivo: Praias de rio

Nada melhor do que aproveitar para relaxar nas famosas praias de água doce, também conhecidas como praias de rio, com cenários paradisíacos, ideais para banho, contemplar a natureza, com águas calmas e bem preservadas.





Foto: Lorena Affonso

6° motivo: O Pôr do sol da estação das Docas

Esse espetáculo sobre as águas do Rio Guajará pode ser visto de muitos cantos da cidade, mas um dos mais conhecidos é na Estação das Docas. Dá para perceber que encostar-se ao guarda-corpo e apreciar a paisagem até o anoitecer é um costume bem típico e delicioso por aqui.






Sai dessa friaca, vem pegar um solzão por aqui! 

Por Trayce Melo – Estagiária

terça-feira, 25 de julho de 2017

A CULINÁRIA PARAENSE GANHOU UM DIA ESPECIAL NO CALENDÁRIO DO ESTADO

Que a culinária paraense é de uma originalidade sem igual ninguém tem dúvida. E para demarcar a sua importância, hoje dia 25, o estado do Pará comemora o primeiro ano da culinária paraense em seu calendário oficialmente.

O projeto de lei que institucionaliza a data foi sancionado no dia 7 de novembro de 2016 pelo governador do Pará, Simão Jatene. A data é uma homenagem ao nascimento de Anna Maria Leal Martins, uma das maiores influenciadoras e apreciadoras da culinária paraense. 

A gastronomia do Pará apresenta como maior destaque a cultura indígena, mas também carrega consigo traços portugueses e africanos. Inclusive os nomes das comidas têm referências indígenas, como pato no tucupi, tacacá, chibé, açaí com peixe frito e maniçoba.
  
Os elementos encontrados na região da Amazônia formam a base de seus pratos, como camarão, caranguejo, peixe, pato, suas famosas ervas, a mandioca que desde a folha até a raiz são aproveitados, pimentas de cheiro e as frutas nativas.

É considerada uma das mais autênticas do Brasil, justamente pelas suas características regionais. Não foi por acaso que desde 2015 a cidade de Belém foi considerada pela Unesco como a Capital criativa da gastronomia. E é justamente essa particularidade que atrai cada vez mais turistas que buscam diferentes e novas experiências para o Estado, principalmente quando chega o mês de outubro, Belém é dominada pelo cheiro de suas comidas típicas, especialmente a maniçoba. Seu cheiro fica no ar anunciando que o Círio e a culinária fazem parte de nossa identidade.

Se você ainda não conhece. Então se prepare para ficar com água na boca e descobrir novas delícias aqui no estado do Pará. Opções não faltam para agradar o seu paladar!

O que você não pode deixar de experimentar:

AÇAÍ COM PEIXE E FARINHA/ FOTO: FERNANDO SETTE

TAPIOQUINHA COM CAFÉ/ FOTO: FERNANDO SETTE

PATO NO TUCUPI/ FOTO: FERNANDO SETTE

BOMBONS REGIONAIS/ FOTO: FERNANDO SETTE

MANIÇOBA/ FOTO: FERNANDO SETTE

PUPUNHA COM CAFÉ/ FOTO: FERNANDO SETTE

MOQUECA DE PEIXE DE SANTARÉM/ FOTO: FERNANDO SETTE

TACACÁ/ FOTO: FERNANDO SETTE

 
Por Trayce Melo – Estagiária 

segunda-feira, 24 de julho de 2017

CHEGOU AS FÉRIAS, VENHA CONHECER A DIVERSIDADE DAS PRAIAS DO PARÁ!

Chegou o mês de férias, e para você que procura riquezas naturais e belos pontos turísticos, o estado do Pará é o lugar certo.

Com uma área de grande diversidade e que acaba nos surpreendendo com sua natureza pródiga em meio a rios e trechos amazônicos, você embarca em uma viagem de descobertas, que levam você a dezenas de ilhas e praias. Entre as quais, listamos oito praias das regiões turísticas do Estado para você aproveitar o verão paraense.

Praias de rio

Praia do Pesqueiro – Soure

Foto: Celso Abreu

É uma bela praia que parece infinita, excelente para banho e a mais visitada pelos turistas em Soure, com barraquinhas de madeira cobertas de sapê. Com a maré alta a água chega às barraquinhas, tanto que algumas têm um piso suspenso de madeira, onde estão as mesas, para que você fique sentado sobre a água. É bem estruturada de bares, restaurantes e lojas de artesanato. Para chegar à praia o acesso é terrestre.

Como chegar:

Via RodoFluvial: Partindo do Porto de Icoaraci para o Porto de Camará/ Salvaterra- Ilha do Marajó em um ferryboat (pessoas/veículos), para chegar a Soure é preciso atravessar o rio Paracauari. Existem duas maneiras de fazê-lo por meio de balsa, geralmente quem está em veículo próprio ou em ônibus/Vans/moto, ambos vêm do Porto de Camará ou de pequenos barcos regionais como popopô. Dura em torno de 10 a 15 minutos a travessia. Os ferryboats saem de segunda a sábado nos horários de 6h30 e 14h30 e aos domingos às 10h e retornam do Porto de Camará às 6h30 e 15h e aos domingos somente às 15h.

Lancha Rápida: Agora, somente este período das férias o horário foi alterado da lancha rápida. Começou a sair uma hora mais cedo, às 08hs e retorna no mesmo dia à tarde, às 14hs45 de segunda a sábado. A empresa Master Motors que faz o percurso direto Soure/ Salvaterra em 02hs.

Praia do Chapéu Virado - Mosqueiro

 
Foto: Fernando Sette
Recebeu este nome devido aos chapéus de aba longa que os primeiros colonizadores portugueses usavam. Ao chegarem à praia, os fortes ventos faziam os chapéus voarem, recebendo assim o nome de “Chapéu Virado”. Esta praia é sem dúvida uma das mais movimentadas, tanto durante o dia quanto à noite, devido ao calçadão da orla, ideal para caminhadas e prática de ciclismo. Também possui boa estrutura de barracas de praia que oferecem bebidas e refeições à base de peixes. A praia fica bem no meio da Orla de Mosqueiro.

Como chegar:
Via rodoviária: Localiza-se a 70km partindo de Belém pela BR-316. Existem linhas de ônibus regulares que fazem o trajeto partindo do Terminal Rodoviário de Belém e também linhas de transporte público municipal. As linhas de transporte público municipal que partiam da praça onde se situa o Memorial Magalhães Barata passaram a sair da estação BRT São Brás inaugurada em junho com destino a Ilha do Mosqueiro. De carro particular a viagem dura no máximo uma hora.  

Praias de águas mornas

Alter do Chão – Santarém

Foto: Fernando Sette

A praia está entre as dez mais bonitas do Brasil, segundo o jornal inglês The Guardian. Fica pertinho do centro de Santarém e acessível de canoa. O cenário é paradisíaco e guarda uma beleza sem igual, já que suas praias são às margens do rio Tapajós. Entre as contemplações que a natureza proporciona em Alter do Chão está o encontro das águas dos rios Tapajós e Amazonas. As águas cristalinas do Tapajós se encontram com as águas barrentas do Amazonas, mas não se misturam, oferecendo aos visitantes momentos inesquecíveis de ser contemplar.

Como chegar:

Via Aérea: Santarém é coberta por vôos regulares saindo diariamente do Aeroporto Internacional de Belém. A viagem dura em média 1 hora. Também recebe voos regulares que não passam necessariamente por Belém.
           
Via Fluvial: Embarcações saem todas as quartas-feiras, sábados e terças-feiras alternadas de Belém para Santarém do Terminal Hidroviário de Belém (Galpão 9 CDP) e de outros portos. A viagem dura cerca de dois dias. 

Via Rodoviária: Partindo de Belém, Santarém fica a 1.352 km e o percurso em carro particular, envolve respectivamente a BR-316, PA-140, PA-151, PA-256, PA-150, PA-263, BR-422, BR-230 (Transamazônica) e BR-163 (Santarém-Cuiabá).

Praia do Caripi- Barcarena

Foto: Pedro Costa

A praia conta com um píer para facilitar o acesso dos que chegam de moto-aquática e lancha, além de proporcionar uma linda vista da praia que é de água doce, mornas e areia fina. É um local excelente para quem busca tranquilidade. Existe um hotel chamado Samaúma de frente para a praia com uma casa na árvore que oferece serviços para os banhistas. Vale a pena conhecer e desfrutar da bela paisagem e da natureza. Não deixe de conhecer a casa na árvore!

Como chegar:

  Via rodoviária: Automóvel: Partindo de Belém pela BR 316 até o município de Marituba, segue-se pela Alça Viária (PA 483) e depois pela PA-165 até a sede de Barcarena ou pela Rodovia da Integração até a vila do Conde. Ônibus/ Van: Com partidas do Terminal Rodoviário de Belém.

 Via RodoFluvial: Quem está a pé utiliza para chegar à outra margem do rio Guamá, tanto os barcos, e lanchas que saem dos terminais fluviais particulares das empresas Arapari e Jarumã, localizados na Rua Siqueira Mendes, como os barcos que saem do Ver-o-peso. Em ambos os casos ao chegar à outra margem, geralmente nos portos Arapari/ São Francisco é preciso pegar um ônibus ou uma van para ir à praia do Caripi. Quem está em carro próprio ou mesmo ônibus/vans escolhe ir pela alça viária ou atravessar o rio Guamá e chegar do outro lado no Porto Arapari por meio das balsas que partem do terminal da Empresa Henvil localizado na Av. Bernardo Sayão.



Praias com ondas

 Praia do vai quem quer – Cotijuba

Foto: Mara Hermes

Para chegar à praia do Vai quem quer é preciso utilizar uma das charmosas charretes ou pegar o bondinho da ilha, que é puxado por um pequeno trator. Há uma parada onde eles se concentram logo na entrada da ilha. Mas recentemente, passou também a ser oferecido o serviço de mototáxi para alcançar a praia de Vai-quem-quer. A melhor descrição do local é bucólico, você fica em cabanas, uma praia bonita, bem cuidada e preservada. As pousadas que existem são de estilo rústico e os restaurantes servem somente pratos regionais, onde os peixes e camarão da região têm destaques.

Como chegar:

Via Fluvial: A travessia é feita em embarcações que partem diariamente do Trapiche de Icoaraci e do Ver-o-Peso. O trajeto pode ser realizado através de um navio mantido pela Superintendência Executiva de Mobilidade Urbana de Belém (SEMOB) ou em várias outras embarcações menores ofertadas pela cooperativa de Barqueiro da Ilha de Cotijuba (Cooperbio), a viagem dura em média 45 minutos.


Praia da Princesa – Algodoal

Foto: via tripadvisor

É a praia mais famosa de Algodoal, e entre os meses de fevereiro e junho, ganha a companhia de uma bela lagoa. A simplicidade predomina no lugar, com ruas de terra batida, casas de alvenaria de construção rústica, sem mansões e sem veículos motorizados. As únicas maneiras de explorar as belezas da região são a pé ou de carroça, por conta de ser uma área de proteção ambiental. É um lugar bem tranquilo para ir de cabeça aberta pra curtir a natureza e andar bastante com o pé na areia. O sossego só é quebrado na alta estação, quando os quiosques funcionam a pleno vapor. Também, é muito boa para a prática de surf em função das boas ondas.

Como chegar:

Via Rodoviária: Há linhas que saem de Belém e vão até Marudá, no município de Marapanim. A partir daí, é necessário deixar o carro e fazer a travessia de barco para a ilha de Maiandeua. Uma das principais regras para a visitação do local é a proibição de qualquer veículo automotivo na ilha. A medida visa preservar a natureza local.

Outra opção de acesso a Algodoal é seguir de Belém até o município de Maracanã, cerca de 3h de viagem, de onde sai diariamente um barco com destino a Algodoal.

Praias de mar

Praia de Marudá – Marapanim

 Foto: Expedição Pará

Belíssima praia banhada com águas salgadas dispõe de uma orla muito agradável que em período de veraneio fica lotada e cheia de atrações noturnas. Localizada na vila de Marudanópolis, esta praia é a mais urbanizada de todo o município, porém a de menor extensão, apenas 1200 metros. Oferece a melhor infra-estrutura hoteleira, sistema de transporte municipal da sede para a praia e muito artesanato. 

Como chegar: 

Via rodoviária: De carro particular ou de linhas de ônibus que saem do terminal rodoviário de Belém. Quem quiser pegar a estrada deve seguir pela BR -316 e em seguida, pegar as rodovias PA-318 e PA-136.

Praia do Atalaia – Salinas

 
Foto: Fernando Sette

A praia do Atalaia é a mais movimentada de Salinas, conta com hotéis de primeira classe de frente para a praia, bares e restaurantes para todos os gostos. Dependendo da época do ano, as ondas do mar chegam a 2 metros de altura, sendo aproveitadas para o surf. No local, as pessoas podem ainda se aventurar nas dunas de areia branca com vegetação típica do litoral e conhecer o lago da Coca-Cola, que se forma entre as dunas. O lago de água doce e escura é geralmente usado pelos visitantes para tirar o sal do mar e se refrescar depois de caminhar nas dunas sob o sol forte.

Como chegar:

Via rodoviária: De Belém a Salinas são aproximadamente, 220 quilômetros. O acesso ocorre pelas rodovias BR-316 e PA-124. São aproximadamente 2h30m de viagem. Do Terminal Rodoviário de Belém saem ônibus periodicamente em direção ao município.

Ficou encantado? Então não deixe de vir conhecer as belas praias do estado do Pará no verão paraense!

Para mais informações: http://setur.pa.gov.br/

 Por Trayce Melo – Estagiária